agosto 2016

cuide da sua autoestima

Pare de sabotar a sua autoestima

Quer cultivar uma boa autoestima? Então você precisa admitir uma coisa: pegar pesado consigo mesma não está funcionando. Durante toda a sua vida você foi dura consigo mesma, despejando toneladas de críticas e julgamentos cruéis sobre si durante anos a fio. Agora, faça uma análise desse comportamento: deu certo? Isso fez com que você se sentisse melhor ou que se motivasse a se tornar uma pessoa melhor?

Hum… acho que não, né? Então por que insistir nesse padrão falho? Por que continuar se punindo, criticando, julgando e destacando suas falhas?

Como você pode perceber, isso não vai te levar a lugar algum. Ou melhor, vai sim, esse comportamento vai te conduzir a um lugar de tristeza, desamor e baixa autoestima.

Sempre que você se critica e ressalta seus defeitos, você passa para o seu inconsciente a mensagem de que você é inadequada, que não é boa o suficiente e que não é merecedora de amor, felicidade, sucesso e coisas boas.

Esse comportamento é um golpe fatal na sua autoestima, que se enfraquece a cada nova crítica.

Não adianta vir me dizer que apontar os seus erros é o caminho para o autoaprimoramento, pois não é! Você não se torna melhor ou mais autoconfiante ao enfiar o dedo nas próprias feridas e apontar suas falhas de forma rude e agressiva. Ninguém se sente incentivado e estimulado dessa maneira.

E a maior prova do que acabei de falar é que você tem feito isso durante toda a sua vida e não conseguiu se amar ou valorizar mais dessa forma. Então, eu repito, por que continuar assim?

Eistein (aquele lindo) já dizia que “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. Então, para cultivar o amor-próprio e uma boa autoestima, chegou a hora de mudar esse comportamento.

Experimente romper com o padrão das críticas e reprovação. Procure olhar para si mesma com olhos mais generosos, cultivando o carinho e autocompaixão e você verá o quanto as coisas mudarão aí dentro de você e, claro, no mundo ao seu redor.

É só você pensar em como seria essa prática em um relacionamento com outra pessoa. Você amaria alguém que vive te insultando, criticando, julgando e apontando seus erros? Você teria vontade de agradar e cuidar de alguém que te proferisse todo o tipo de ofensa e diminuísse você todos os dias? Não seria muito mais fácil amar e cuidar de alguém que te lembrasse todos os dias o quanto você é importante e especial? Como você se sentiria na presença de alguém que se importa com você, que te valoriza e aprecia?

Não precisa muito esforço para adivinhar que será muito mais fácil gostar da pessoa com este último padrão de comportamento, né?

É exatamente igual no relacionamento com você mesma

Você vai apreciar e gostar muito mais de você a partir do momento que começar a adotar uma postura mais carinhosa e generosa consigo mesma. O crescimento será um caminho muito mais natural e fácil quando você passar a apreciar e ressaltar suas características positivas e parar de ficar colocando o dedo nas feridas da sua alma.

Isso tudo depende de você e é um padrão de comportamento que pode ser cultivado, começando agora mesmo.

Para isso, experimente listar 5 coisas que você admira e aprecia em você.

Pegue papel e caneta e mostre para você mesma que você está disposta a se tratar com mais carinho e reconhecer tudo de bom que você já tem, que você já é!

Assim que terminar, escreva aqui nos comentários dizendo como você se sentiu ao dar esse novo passo! Quero muito saber mais sobre você 🙂

Então, vem comigo!

Pare de esperar: o amor nunca vai chegar.

Volta e meia ouço por aí pessoas dizendo que estão esperando o amor chegar em suas vidas. Esse tipo de afirmação sempre tem um quê meio poético, meio romântico, mas chegou a hora de acabar de uma vez por todas com essa ilusão.

Olha, sinto muito ter de ser eu a portadora de tão más notícias, mas o amor NUNCA vai chegar.

Não me entenda mal, não sou uma dessas pessoas amargas que não acreditam no amor ou que têm nessa palavra o sinônimo de “sofrimento inevitável”.

Não é nada disso. Eu acredito muito no amor, sou completamente alucinada por ele e afirmo, sem medo de errar, que o amor está presente em todos os momentos da minha vida.

Só que não posso ser conivente com esse tipo de pensamento que te ilude e faz sofrer, de que o amor chegará em sua vida, em uma bela tarde primaveril, arrebatando o seu coração e te levando em um cavalo branco rumo ao felizes para sempre.

Isso é uma grande ilusão!

Não sei qual é o problema da nossa sociedade com o amor, nem por que as pessoas insistem em idealizar esse sentimento ou até mesmo em estipular um padrão sobre o jeito certo de amar. Também não consigo entender a origem desse ideal do amor que chega de repente, como a solução de todos os problemas, fazendo você experimentar a verdadeira felicidade.

A única coisa que eu sei é que quem inventou (e também quem propaga) essa história não entende patavinas sobre o amor.

Pensar que o amor é algo que chega na forma de uma outra pessoa e te convida para a felicidade é tão sensato e racional como achar que a solução para os conflitos da humanidade será trazida por extraterrestres verdes e cabeçudos, que desembarcarão na Terra em uma espaçonave toda paramentada com luzinhas multicoloridas.

Bizarro? Mas essa imagem é tão “real” quanto a idealização do amor que vem de fora, personificado em um príncipe encantado.

O amor vai sim acontecer na sua vida, mas para isso ele precisa existir primeiro dentro de você.

Para experimentar as maravilhas de uma vida repleta de amor, ter um relacionamento amoroso saudável e viver todos os dias de forma intensa e verdadeira, você precisa cultivar o amor por você mesma.

Buscar o amor do lado de fora, como forma de fugir da solidão ou de suprir esse vazio que existe aí dentro é fonte certa de frustração e sofrimento, pois ninguém será capaz de te dar aquilo que não existir primeiro dentro de você.

Se você não se conhece, não se ama, não se valoriza, nem se respeita, é impossível que alguém faça isso por você. O outro não tem condições de realizar uma tarefa que é apenas sua. E, por mais que ele tente com toda a dedicação do mundo, você nunca ficará satisfeita e sempre terá aquela sensação de que está faltando alguma coisa. Isso sem falar em todos os malefícios que a falta de amor-próprio provoca em um relacionamento, tais como ciúmes, inveja, intolerância.

Já dizia Osho com sua sabedoria oriental “Antes que você possa se relacionar com alguém, relacione-se consigo mesmo. Este é o requisito básico para se sentir realizado. Sem ele, nada é possível. Com ele, nada é impossível.”

Você tem dentro de si uma fonte abundante e inesgotável de amor, pois o amor faz parte de quem você é. Para acessar esse sentimento maravilhoso e permitir que ele floresça também do lado de fora, volte-se para dentro. Comece a se conhecer de verdade, a resgatar a sua essência, desfazendo-se desse personagem que você construiu ao longo da vida movida por aquela sensação de que você não é boa o bastante.

Você é boa o bastante. E é incrível, especial, única e merecedora de todo o amor desse mundo. Então, permita-se sentir todo esse amor e carinho por você mesma. Trate-se com gentileza e cuidado, cuide de si mesma com carinho e descubra o quanto você é linda e interessante. Apaixone-se por você.

Deixe vir ao mundo todo esse amor que existe aí dentro e você o verá transbordar para o lado de fora, em sua vida, seu trabalho, seus relacionamentos e até mesmo na sua aparência.

Pare de esperar que ele chegue. Comece a cultivar o amor de verdade no único lugar do mundo em que isso é possível: dentro de você.

Então, vem comigo!

Gostou desse texto? Então deixe aqui embaixo o seu comentário me contando mais sobre você. E lembre-se de se cadastrar em minha lista vip, para receber conteúdo exclusivo meu toda semana. É só CLICAR AQUI.