3 sinais de que você está vivendo o sonho errado

Desde criança você ouve como tem que viver sua vida, e aposto que era algo mais ou menos assim: Você vai para a escola, depois faz uma faculdade, arruma um trabalho na área (de preferência um concurso público), se casa, dá entrada em um apartamento, tem um filho, depois tem outro filho, e os ensina a seguir os mesmos passos! Acertei?

Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência! Não, eu não estou te seguindo, nem investigando você! Eu só repeti as coisas que ouvi durante a minha vida inteira e que a maioria da população também ouviu e ainda ouve!

Mas, vem cá, será que todo mundo é feliz fazendo as mesmas coisas? Será mesmo que a felicidade é algo de produção em massa, que a gente alcança seguindo direitinho esse roteiro e fazendo tudo o que nos mandaram? Será que essa é mesmo a sua vida dos sonhos? Bom, a minha é que não é!

É verdade que eu mandei pras cucuias esse tal de sonho americano e fui correr atrás do sonho da Carol, porque esse sim é que faz meu coração bater mais forte! Mas o motivo pra gente estar conversando sobre isso hoje não é para falar sobre mim, o que me fez colocar esse tema na mesa é porque viver perseguindo o sonho alheio causa um belo estrago na sua autoestima! Aí já viu, né? Preciso entrar em cena, porque mexeu com a sua autoestima, mexeu comigo!

Viver o sonho de outra pessoa faz com que você se sinta inadequado diante da vida, que você pense que algo está seriamente errado com você e, em vez de questionar esse padrão que te impuseram, você começa a duvidar do seu valor pessoal! Antes de te dar as dicas para descobrir qual a vida dos seus sonhos, vamos identificar os 3 sinais de que você está vivendo o sonho de outra pessoa!

 1- Sua vida não te traz satisfação.

Você cumpriu todos os requisitos da vida de sucesso que te passaram. Deu check em todos os itens, mas ainda assim não sente um pingo de satisfação pela vida que construiu.

 Aí fica todo trabalhado no remorso e na culpa, porque está “reclamando de barriga cheia”! Você pensa (ou escuta) coisas do tipo: “Eu tenho tudo o que todo mundo sonha, mas não me sinto satisfeito! Sou um ingrato! Devia me envergonhar dos meus pensamentos!”

 A carapuça serviu? Calma que ainda temos dois sinais para analisar!

 

2. Você não tem motivação para fazer as tarefas da sua “vida dos sonhos”.

Você simplesmente não se sente motivado para viver o seu dia. Acorda sem uma gota de empolgação e tem ânimo zero para fazer as tarefas da sua vida cotidiana. Claro! Você não sente prazer nenhum com essa vida e nada mais natural do que não ter força e motivação para fazer o que é necessário para mantê-la!

Quando somos apaixonados pela nossa vida, quando vivemos de verdade o nosso sonho, todo dia é uma nova oportunidade para ser feliz e mesmo as tarefas mais chatas são executadas com amor e motivação, porque você tem clareza sobre o benefício que elas lhe trarão e sabe que todo o seu esforço valerá muito a pena!

O contrário, logicamente, é o que acontece quando estamos vivendo o sonho de outra pessoa. Até podemos ter prazeres e alegrias momentâneos, mas a regra é a insatisfação e desmotivação!

3- Você se questiona “mas é só isso? Isso é felicidade?”

Em um belo dia você olha para tudo o que construiu e diz: “É isso? Essa é a tal felicidade que me disseram?” Bom, se é que lhe disseram que felicidade existia, porque a maioria de nós já se acostumou a ouvir que esse troço é uma mentira que inventaram para vender no comercial de margarina!

E esse questionamento te acompanha e fica martelando na sua cabeça, mas logo é sufocado pela culpa da qual falamos no número 1, criando um belo ciclo destrutivo que traz um monte de sofrimento.

Já analisamos os 3 sinais, você se identificou com alguns (ou todos) e está aí com essa cara de desespero pensando: Como resolver isso? Como me livrar do sonho alheio e viver cheio de inspiração, motivação e felicidade?

Para dar uma banana para o sonho dos outros, você precisa ter clareza sobre qual a sua definição de sucesso, o que faz sentido para você e qual é a verdadeira vida dos seus sonhos!

Somente assim você poderá construir uma vida para chamar de sua e parar de trilhar o caminho que está te levando para outro lugar.

Claro que eu vou te ajudar! Para jogar luz e facilitar a sua descoberta, responda às seguintes perguntas:

1-Se você começasse a sua vida hoje, como ela seria?

2- Se você não tivesse que dar satisfações a ninguém, o que você faria com a sua vida?

3-Se não houvesse dinheiro no mundo, o que você estaria fazendo agora? (Para te ajudar a pensar nessa última, leia ESTE TEXTO AQUI)

Ter clareza sobre o que você quer para a sua vida vai te ajudar a encontrar dentro de si mesmo a força necessária para construí-la! Seus dias nunca mais serão os mesmos a partir do momento em que você parar de viver o sonho de outra pessoa e começar a se encantar pela sua própria vida dos sonhos!

Então, vem comigo!

Conta pra mim como é a vida dos seus sonhos! Escreva aqui nos comentários ou mande um e-mail para carol@entaovemcomigo.com.br

E não se esqueça de se cadastrar na minha lista vip para receber meus conteúdos exclusivos e baixar gratuitamente meu livro digital “3 Atitudes para Fortalecer sua Autoestima pelo Autocuidado”! É só CLICAR AQUI!

Vai procurar sua turma

Veja se você se enxerga nessa história. Você vive uma vidinha bem mais ou menos, vai trabalhar sonhando com a sexta-feira e tem um monte de gente reclamona à sua volta. Vocês passam um tempão juntos falando sobre como as coisas são difíceis, como os relacionamentos são chatos, como os chefes são uns malas, como o governo está acabando com o país, como o dinheiro acaba ainda no começo do mês… enfim, todas essas coisas com as quais estamos acostumados.

Só que um belo dia, cansado de tanta angústia, por já não aguentar mais essa tristeza que nunca tem fim, você para e pensa em como pode melhorar a sua vida! Sim, você! O que você pode fazer e não seu chefe, namorado ou amigos reclamões. E aí você vai lendo uma coisinha aqui, vendo um videozinho ali, e dá início à sua mudança!

Pronto! Você plantou uma sementinha dentro de você. E a cada pensamento virtuoso que você tem e a cada livro/texto/vídeo que consome, essa sementinha vai germinando, brotando, crescendo… Em um momento, que você nem sabe exatamente muito bem como chegou, você se percebe diferente, percebe que começou a ver a vida com outros olhos, buscando coisas melhores. Aquela tristeza deu lugar a um sentimento de esperança e satisfação.

De repente, você se pega falando com seus amigos sobre coisas como autoconhecimento, gratidão, paz interior, meditação…

Oi? Meditação? Daí surge aquele silêncio meio constrangedor acompanhado por um fuzilamento de olhares que dizem “Você pirou?” “Qual o seu problema?” “Eu não estou te reconhecendo mais!”.

E você experimenta a rejeição. Sua galera, que sempre curtiu sua companhia, agora está te evitando e ainda te olha com aquela cara de “Sério, meditação?”.

Aquela tristeza começa a querer voltar, fica dando umas cutucadinhas no seu ombro, enquanto você se pega pensando que é um estranho no ninho, que está sozinho nessa e não tem ninguém para compartilhar as coisas que realmente te interessam.

Você não se encaixa mais com os seus amigos, não se sente bem com aquelas velhas reclamações de sempre e não está mais confortável para falar o que você pensa de verdade.

Meu amigo, quando se chega neste ponto, só há uma coisa a fazer: vai procurar a sua turma!

A primeira coisa que você precisa saber é que isso acontece com todo mundo! Bom, pelo menos com todo mundo que decide se movimentar em busca de uma mudança de vida!

É super normal essa sensação de ser um estranho no ninho, sofrer com a rejeição das pessoas e você mesmo rejeitar as conversas improdutivas de sempre! Digamos que isso seja um ritual de passagem! Então, deixe-me dizer oficialmente: bem-vindo ao clube!

A segunda coisa é que VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO! Tem muita, mas MUITA gente legal por aí passando pela mesma jornada que você, buscando mudanças, crescimentos, transformações, tomando atitudes e estudando um monte de coisa legal que você nem imagina!

Essa galera está se reunindo, trocando forças, ideias, experiências, compartilhando muito e batendo um papinho virtuoso! Ainda tem uns perdidos pelo caminho, assim como você, mas não se preocupe, eles também encontrarão um meio de se reunir!

Sua turma do passado? Bom, vocês estão em momentos diferentes agora e um dia eles também se cansarão de reclamar e escolherão mudar seus pensamentos. Quando esse dia chegar, você receberá uma mensagem que começa com “Sabe, eu estive pensando…” e você poderá acolher a todos de braços abertos e compartilhar sua caminhada.

Enquanto isso não acontece, tenha paciência e compaixão! Não precisa se afastar (se bem que algumas vezes você vai querer fazer isso, e está tudo bem! Não tem problema nenhum em não querer estar perto de quem não te faz bem), basta ter carinho e compreender que vocês estão em momentos diferentes e que eles ainda não estão prontos para assumir o controle de suas próprias vidas!

E você, meu querido, vai agora mesmo procurar sua turma! Vai encontrar toda essa gente incrível que está aí fora na mesma vibe que você!

Como fazer isso? Simples! Continue buscando se aprofundar nos assuntos do seu interesse. Apenas essa atitude já é suficiente para que o Universo conspire para que os seus caminhos se cruzem, o que algumas vezes acontece das maneiras mais inusitadas possíveis (esse Universo é mesmo um danadinho!)!

Se você for do tipo ansioso e não quiser deixar tudo por conta do Universo, pode buscar cursos (presenciais ou online), palestras, grupos, comunidades, workshops, participar de eventos, ou seja, se colocar em movimento e dar espaço para essa gente linda, elegante e sincera entrar na sua vida!

Aí é só correr para o abraço e preparar-se para jogar fora aquela crença limitante de que amigo de verdade a gente conta nos dedos!

Você não está sozinho! E eu também sempre estarei aqui para você!

Então, vem comigo!

E se você estiver velho demais?

“E se eu estiver muito velha para sonhar?” – Ela me perguntou. – “Você sabe, eu não tenho mais idade para isso.”

Confesso que aquelas palavras mexeram comigo. Eu as senti entrando em mim e ecoando dentro do meu ser.

Eu não sou uma dessas pessoas motivacionais, que têm sempre uma resposta incrível na ponta da língua e um repertório infindável de frases impactantes. Sabe aquelas frases que você escuta e diz “Uaaaauuuu! Isso mudou a minha vida!” e de repente se sente motivado para correr uma maratona ou que tem a força para derrubar com um só golpe as Muralhas da China? Então, eu definitivamente não sou esse tipo de pessoa.

Quando entro em uma conversa, vou com o coração completamente aberto e ouço com a minha alma o que a pessoa tem a dizer. Também deixo que a minha alma responda, porque a mente, você sabe, ela é um pouco limitada, e às vezes o ego tenta manipulá-la fazendo-nos sentir aquela vontade de estarmos sempre certos. A alma é diferente, ela simplesmente é, ela não quer estar certa ou errada, ela não compete, não quer ser melhor ou pior. A alma só quer sentir, só quer ser.

Sabe, eu acho que se as pessoas colocassem mais alma em suas mentes, o mundo seria um lugar completamente diferente.

Naquele dia, a minha alma estremeceu um pouquinho com aquelas palavras. Talvez por ter se identificado com o que acabara de ouvir. Não sei se já te contei, mas um dia eu também me senti velha demais. Sim, foi no auge dos meus vinte e poucos anos. Eu achava que não tinha mais idade para ser feliz. Achava que tinha desperdiçado todas as minhas oportunidades e que estava fadada ao sofrimento para o resto da minha vida.

Parece que posso até ver daqui a sua cara de espanto ao ler essas palavras. Consigo te ver balançando a cabeça com reprovação, como quem diz: “O que você está falando garota?”. Mas, naquele momento, aquela era a minha dor. Eu me achava velha demais para viver essa tal de felicidade.

O mais impressionante de tudo é que hoje, quando olho para trás, vejo que eu estava certa. Eu de fato estava velha demais.

Temos a tendência de achar que ser jovem ou velho está relacionado com a idade que temos, mas isso é um baita engano! Isso nada tem a ver com quantos aniversários você fez ou os números registrados em sua carteira de identidade.

Ser jovem ou velho depende de uma única coisa: a sua capacidade de sonhar. Enquanto você tem um sonho, enquanto acredita nesse sonho, você será jovem e vívido, não importa o que te diga a sua certidão de nascimento.

O verdadeiro tempo é medido pelo quanto acreditamos na beleza da vida, o quanto nos deixamos alimentar pelos nossos sonhos, o quão vivaz é a nossa imaginação e latente a nossa sensação de que podemos e merecemos realizá-los.

E a cronologia, essa racional criatura, ela não é capaz de colocar obstáculos para a realização dos seus sonhos, porque aí dentro você tem a jovialidade de uma criança. E as crianças, meu amigo, têm um dispositivo secreto acoplado em suas mentes que ignoram completamente a expressão “você não pode fazer isso”.

Tudo bem! Posso até não fazer do seu jeito, mas eu encontro uma maneira, porque é isso que os sonhadores fazem, eles não permitem que o “como” seja um obstáculo. O “como” é um empecilho para os velhos, porque quem sonha faz parte daquele grupo incrível que encontra um jeito, o seu jeito, de fazer acontecer.

Ao te escrever essas palavras não consigo impedir que um sorriso brote nos meus lábios, enquanto lágrimas de emoção me marejam os olhos, porque sabe o aconteceu com aquela velha de vinte e poucos anos? Ela renasceu. Ela permitiu que o seu coração batesse de novo cheio de jovialidade e disposição, porque ela redescobriu o que é sonhar e saiu por aí, colorindo a vida e fazendo dela o cenário perfeito para a realização dos seus sonhos!

“E se eu estiver muito velha para sonhar?” – Ela me perguntou. – “Você sabe, eu não tenho mais idade para isso.”

Confesso que aquelas palavras mexeram comigo. Eu as senti entrando em mim e ecoando dentro do meu ser. Minha alma reconheceu aquela frase e em frações de segundo devolveu em resposta a expressão mais pura e verdadeira que alguém um dia já disse sobre o assunto:

“Porque se chamavam homens, também se chamavam sonhos, e sonhos não envelhecem.” **

Você tem um sonho. Você está vivo. Isso é tudo o que precisa para torná-lo realidade.

Então, vem comigo!

**Essa frase é da música “Clube da Esquina II” e não sei exatamente a autoria, porque ora o Google me diz que é do Milton Nascimento, ora do Flávio Venturini.

7 Razões para Ser Você Mesmo

Você sempre escuta por aí que deve ser você mesmo. Que deve ser autêntico, verdadeiro e assumir ao mundo a sua personalidade, sem se preocupar com o que os outros vão pensar.

Bom, eu concordo em gênero, número e grau, e hoje vou te dar 7 razões para parar de tentar agradar as pessoas e simplesmente ser você mesmo!

Vamos lá?

1.  “Be Yourself. Everyone else is already taken.” – Oscar Wilde.

Seja você mesmo. Todas as outras personalidades já têm dono. – Essa é a tradução (que não retrata muito bem, preciso dizer) de uma das minhas frases preferidas.

Há mais de 7 bilhões de pessoas no mundo. Mas elas são elas e você é você. Você não pode ser nenhuma delas, então não perca seu tempo tentando, ok?

Parece meio ofensivo, eu sei, mas é profundo e brilhante! Para que perder seu tempo e energia tentando ser alguém que você não é de verdade? É cansativo, desgastante e, como você pôde perceber, uma batalha perdida.

“Mas Carol, eu não gosto de quem eu sou!”

Será mesmo que você não gosta de quem você é? Será que você não tem medo de que as pessoas não te aceitem ou achem que você é inadequado?

Sério. Reflita sobre isso: por que você não gosta de quem você é? Será que você se conhece o suficiente para dizer se gosta ou não? Ou será que é igual a uma daquelas crianças que diz que não gosta de brócolis sem jamais ter experimentado? Será que você tem clareza sobre quem é ou será que vive obcecado e focado em quem você não é?

Você nunca apreciará a si mesmo se não tirar um tempinho para se conhecer. Então, separe logo uns preciosos momentos para saber mais sobre você.

E sabe o que acontece quando faz isso? Você se apaixona perdidamente por si mesmo e fica cada mais difícil (quiçá impossível) tentar ser outra pessoa.

2. Você nunca mais duvidará do amor das pessoas.

Lembra do que conversamos ali em cima sobre ter medo de que as pessoas não gostem de quem você é? Quando você é verdadeiro e autêntico esse medo desaparece, pois as pessoas que ficam ao seu lado só estão ali porque gostam de como você é, não porque você está interpretando uma personagem que considera mais adequado e aceitável!

Isso não é incrível? Eu tenho certeza que as pessoas que estão ao meu lado me amam por mim, pois é só isso que eu mostro a elas, o que eu sou de verdade!

É claro que talvez algumas pessoas se afastem de você, afinal ninguém é obrigado a gostar da gente! As pessoas são diferentes e gostam de coisas diferentes e tá tudo bem! Como diz o ditado: o que seria do azul se todo mundo gostasse do amarelo?

A boa notícia é que você sempre encontrará a sua turma! Sempre haverá quem goste de você do jeitinho que é, sem tirar nem pôr. Talvez você esteja tentando se “encaixar” na turma errada, ou talvez as pessoas que te rodeiam vão amar alucinadamente a pessoa que você é de verdade, mas a única maneira de descobrir isso é…. SENDO VOCÊ MESMO!!!

3. Você evita frustrações.

Se hoje você tenta se esconder ou ser diferente do que é de verdade, tem uma motivação para isso. E, seja qual for a sua motivação, já posso te adiantar que ela é errada!

Talvez esteja buscando a aprovação ou amor de uma pessoa, talvez queira fazer parte de um grupo, conseguir um trabalho, enfim, motivações externas.

O problema de fazer isso é que você pode não obter os resultados que espera. Pode ser demitido do trabalho, ser rejeitado pelo grupo ou aquela pessoa cujo amor você buscava pode te desapontar muito e as coisas não saírem exatamente como o planejado. E quando isso acontecer, ah meu amigo, você conhecerá a famosa frustração e dirá aquelas célebres palavras “Mas depois de tudo que eu fiz por você?”.

E de repente você se vê interpretando um papel sem obter a recompensa esperada. Você não é verdadeiro e nem tem aquilo que desejava. Você tenta responsabilizar o outro e se sente injustiçado por tudo que aconteceu, uma verdadeira vítima.

Só que todo esse dissabor e frustração podem ser evitados. Sim! Você pode (e deve) simplesmente ser você mesmo e se as coisas não saírem do jeito que esperava, você apenas sacode a poeira e segue em frente. Não haverá mais aquela sensação de que perdeu o seu tempo (ou até mesmo toda a sua vida) se esforçando para agradar alguém que não honrou o seu esforço e te machucou.

4. Viver fingindo é muito cansativo.

Se você ainda não se convenceu por nenhum dos motivos acima, saiba que viver tentando ser outra pessoa é extremamente trabalhoso e cansativo! Palavra de quem passou quase a vida inteira fazendo isso!

Pois é! Eu vivi durante muitos anos encenando personalidades e tentando ser diferente do que eu era de verdade, inclusive fisicamente! Claro que naquela época eu não sabia o que estava fazendo, não sabia nem mesmo quem eu era de verdade, mas, ao invés de tentar descobrir, eu tentava ser como as pessoas que eu achava legais. Se eu sofria? Ô… Olha, só posso te dizer uma coisa, sou eternamente grata pelo momento que resolvi jogar tudo pro alto e apenas ser eu. Foi daquele momento para frente que e pude conhecer o verdadeiro significado da palavra felicidade!

Mas como eu estava dizendo, é extremamente desgastante e trabalhoso ter que pensar em cada gesto, cada fala, cada gosto, ou seja, ter que pensar em tudo que se vai fazer, afinal, não queremos ter atitudes erradas ou inadequadas, não é mesmo?

Esses dias eu vi um filme em que a menina fingia ter sotaque britânico. Ela não podia falar nenhuma palavra sem forçar o sotaque e tinha que se policiar o tempo todo. Imagina o quanto é trabalhoso uma coisa dessas? Ah, e adivinhe o que aconteceu? É claro que ela deu uma escorregada e não conseguiu se manter no papel durante todo o tempo!

Então, lembre-se, se você começar a ser uma pessoa diferente, terá que ficar bem atento e despender muita energia para manter o sotaque!

5. Essa é a sua missão!

Você veio ao mundo para ser exatamente quem você é! Em última instância, pode-se dizer que essa é sua missão, esse é o seu propósito de vida!

Você não nasceu para agradar as pessoas, realizar os sonhos da sua mãe ou as vontades do seu pai. Você veio ao mundo com uma única tarefa a ser cumprida (e eu não disse que ela seria fácil. Só para constar!): saber quem você é de verdade, conhecer-se profundamente, ser você mesmo, sem qualquer “se”, “mas”, “porém” ou condição, e saber se amar e respeitar por isso!

Como eu já escrevi em um texto anterior, o que vem depois não é nada além dos desdobramentos e consequências naturais desse autoconhecimento!

6. Assumir quem você é faz muito bem para a sua autoestima.

Grande parte do seu poder pessoal reside em assumir quem você é de verdade. Quando você se conhece, se ama, se respeita e decide que não será nenhuma outra pessoa no mundo a não ser você mesmo, a sua autoestima sofre os reflexos positivos dessa atitude.

Ao se assumir para si mesmo e para o mundo, você passa a se admirar mais e se dá o necessário valor e reconhecimento. Isso dá início a um verdadeiro ciclo virtuoso, afetando sua autoconfiança, sua determinação, sua segurança, suas ações, seus relacionamentos.

O mundo, é claro, reage à sua atitude, retribuindo-te com o mesmo respeito e reconhecimento com que você se trata.
Este foi o ponto da virada da minha vida, o momento a partir do qual tudo se transformou para mim e os frutos dessa escolha são colhidos até hoje em uma vida recheada com muito amor-próprio e realizações.

7. Você muda o mundo!

Quando você faz a escolha de ser você mesmo, dá autorização às pessoas para fazerem o mesmo por elas. Você lhes mostra que há vida além da encenação e que a verdadeira felicidade acontece no momento em que as máscaras caem e a verdadeira essência se torna livre para emergir à superfície e se mostrar ao mundo!

Você contribui para um mundo com mais verdade, autoestima, autoconfiança e amor-próprio. Você se torna a mudança!

Então, como diria meu velho amigo Gandhi “Seja a mudança que você quer ver no mundo.” Seja você mesmo.

Então, vem comigo!

Me ajude a espalhar essa mensagem! Deixe o seu comentário aqui embaixo e compartilhe com os amigos! Vamos juntos pelo mundo que queremos!

P.S.: Se você ainda não faz parte da minha Lista Vip, cadastre-se aqui do lado e receba gratuitamente o Livro Digital “3 Atitudes para Fortalecer a Autoestima pelo Autocuidado”!

Você não é a sua aparência

Você não é a sua aparência.

Desde tenra idade aprendemos a nos identificar com a imagem refletida no espelho. Estamos habituados a nos definir pelo que vemos ali.

Se eu te pedir para dizer agora como você é, tenho certeza que obterei em resposta adjetivos como: alto, magro, baixo, gordo, bonito, feio. A questão é que você é infinitamente mais complexo e profundo do que o comprimento dos seus cabelos, a cor dos seus olhos e o tamanho da sua circunferência abdominal.

Quando você se identifica com a sua aparência, acredita que é aquilo que os seus olhos veem. Você se limita pela superfície e deixa de acessar a sua verdadeira essência, deixa de conhecer quem você é de verdade e de criar um profundo relacionamento consigo mesmo.

Essa limitação à superfície faz com que você crie uma imagem muito rasa de si mesmo, mas você não compreende isso e busca se sentir completo, profundo e realizado apenas pela “casca” da sua aparência. Você acredita piamente que sua vida mudará quando atingir o peso ideal, que vai se amar mais quando seus cabelos forem da tonalidade desejada e que vai se abrir para o amor quando seu sorriso for perfeitamente alinhado. E assim você inicia uma verdadeira batalha consigo mesmo buscando atingir aquele ideal de perfeição que representará uma vida plena. (Uma pergunta: esse ideal, será que foi você mesmo quem criou? Ou será que foi aquela marca de shampoo que garante que não há problema no mundo que resista a um ondulado perfeitamente dourado?)

A identificação com a aparência é sinônimo de sofrimento.

A aparência é temporária. Como a efemeridade de um instante, a aparência se transforma a cada milésimo de segundo. As células morrem, nascem, morrem novamente, outras aparecem. Na pele delicada vão surgindo rugas, os cabelos crescem, perdem o corte, fios brancos brotando discretamente (ou nem tão discretamente assim) e todas aquelas certezas que você tinha sobre quem era, o “amor” que nutriu pelo seu reflexo no espelho, tudo isso se dissipa e uma vez mais você inicia sua busca pela aceitação daquela imagem pela qual escolheu se definir.

Sempre que você se identifica com a sua aparência, você se nivela com a superfície, e a superfície está sempre sujeita a intempéries. O oceano, em suas profundezas, está sempre calmo, não importa o tamanho da tempestade que acontece lá fora. Assim como o oceano você não se limita à sua superfície. Há algo muito mais profundo, pacífico e cheio de verdadeira beleza dentro de você.

Você é mais do que seu corpo, cabelo, pele e olhos. A sua essência tem muito mais beleza a oferecer do que a sua imagem e é somente em acesso a ela que você encontrará a sensação de plenitude que há tempos vem buscando.

A sua aparência não traduz o seu valor. Não há nada físico capaz de exprimir o quanto você é peculiar, único e especial. Não há padrões a serem alcançados, pois não há como padronizar algo que é incomparável e exclusivo, assim como você!

A sua autoestima não se limita à imagem do espelho e a aceitação de quem você é definitivamente não será alcançada a partir da modificação da sua aparência.

Deixar de se identificar com sua aparência não significa negligenciá-la. Você não deixará de se cuidar, arrumar-se e tratar bem o físico por isso. Ao contrário, você passa a reconhecer o corpo como sendo o templo que abriga a sua essência e cuidará dele com carinho, respeito e gratidão. É possível que os cuidados sejam ainda maiores e mais genuínos, mas, diante de alguma situação anômala, você reconhecerá a sua transitoriedade e saberá que você não se limita à sua aparência. Você é muito maior e mais profundo do que aquilo que os olhos podem ver.

Ao se aproximar do espelho, de agora em diante, não se limite à imagem que ele reflete. Procure olhar dentro dos seus olhos e reconhecer-se pela profundidade da sua essência, ao invés da superficialidade da sua aparência.

Então, vem comigo!

Se você está em busca da sua verdadeira essência e de construir um relacionamento profundo e saudável consigo mesmo, inscreva-se na nossa newsletter e receba diretamente em seu e-mail conteúdo exclusivo e de qualidade para te ajudar nessa jornada! =)

4 Maneiras de Transformar o Seu Humor

Perdoe o meu francês, mas tem dia que é foda! Nós somos todos seres humanos por aqui e também temos nossos dias ruins.

Seres humanos, sim, senhor, e bastante verdadeiros também, por isso, comecemos nossa conversa de maneira bem realista: não importa há quanto tempo você esteja trilhando uma caminhada de desenvolvimento pessoal, ou o quão consciente seja sobre a sua responsabilidade na criação do seu estado de espírito (sentimentos, pensamentos etc), tem dia que você simplesmente acordará de mau humor. E tá tudo bem!

Todos temos sim os nossos dias ruins, mas temos igualmente a opção de não permitir que ele seja ruim até o final!

E para te ajudar na missão de modificar o seu estado, dando um shift com consciência rumo ao bom humor, vou compartilhar os meus segredos para os dias de rabugice.

  1. Eu escolho como eu quero me sentir. Juuuuro que funciona! Eu sei que o balelômetro apita com força quando escutamos algo desse tipo, mas eu preciso te contar que isso funciona MESMO!

Tem dias que eu me pego desanimada, preocupada, mal humorada… (vamos parar a lista por aqui, porque acho que já deu para entender, né?) e, assim que eu percebo a vibe baixo-astral, eu paro e pergunto a mim mesma (em voz alta, porque não faz mal pagar de maluca na rua de vem em quando): como eu escolho me sentir? E reflito. “Escolho me sentir animada, disposta, energizada!” – Respondo, igualmente em voz alta.

Olha, não é feitiçaria, nem tecnologia, na verdade eu não sei bem o que é, mas essa autossugestão funciona de forma quase milagrosa e, imediatamente, percebo meu estado mudar.

Foi um papo muito cumbaiá para você? Não tem problema, vamos para o número 2.

 

  1. Ouvir música! Atire a primeira playlist aquele que nunca foi arrebatado por uma onda de alto-astral quando o Pharrell Williams chega todo pimpão cantando “because I’m happy…”. Música é sempre um santo remédio quando o assunto é chutar para longe a rabugice!

 

 

  1. Atividade Física. Ai, preguiça, desculpa, mas essa daí não tem como ficar de fora. Olha não sou uma pessoa viciada em atividade física, nem do tipo que acorda cedão, calça o tênis e vai correr (não sou mesmo), mas, sempre que faço atividade física eu percebo a nítida mudança no meu humor!

Tá bom, eu sei que isso é um efeito químico/biológico, mas não para por aí. O exercício físico também é sinônimo de carinho e cuidado! Além dos benefícios físicos de se fazer uma atividade, o coração e a mente agradecem o gesto de amor, mandando o baixo-astral para longe, enquanto levantam a plaquinha de “aqui tem muito amor envolvido!”.

  1. Gratidão! Tá na moda, mas funciona!!! Sempre temos em nossa vida muito mais coisas boas acontecendo do que ruins, muito mais a agradecer do que a nos queixar. Quando você começa a agradecer, você muda o foco para o bem, e passa a perceber tudo que você já tem, tudo que você já é, e não tem mau humor que resista a essa energia poderosa que é a gratidão!

E quando você combina mais de uma maneira, então? Por exemplo, quando aperta o play daquela música que você adora, monta na bicicleta e sai pedalando e agradecendo por todas as coisas boas que aconteceram na sua vida na última semana! Aí o céu é o limite!

E você? Tem mais alguma maneira infalível de mudar o seu humor? Conta pra mim aqui nos comentários!

Bora cultivar o alto astral? Então, vem comigo!

cuide da sua autoestima

Para quando o desânimo bater

Em algum momento você se sentirá cansado. Sentirá que luta uma batalha perdida, começará a se questionar se o seu trabalho tem valor e chegará pensar em desistir. Imprima esse texto, leve-o com você e, quando o momento chegar, lembre-se do que vou te dizer agora.

Seja qual for a sua luta, seja qual for a sua missão, seja qual for o seu trabalho, ele tem valor diante do mundo.

Todos nós temos uma missão, um propósito, uma tarefa que nos foi confiada e que devemos executar.

Não importa o quão grandiosa sua missão possa parecer aos outros ou da pequenez de que lhe possam acusar, ela é sua, e nenhuma outra pessoa no mundo pode se apropriar dela ou executá-la por você. É a sua tarefa e deve ser cumprida com dedicação, amor e fé.

Seja qual for a sua missão, ela repercutirá e impactará positivamente o mundo. Se o seu propósito for libertar a humanidade do sofrimento, estimular o desenvolvimento humano ou simplesmente ser autêntico e genuinamente você, ele lançará no mundo uma fagulha, que se transformará em chama e incendiará almas e corações em busca de transformação, amor e paz.

Às vezes, temos a sensação de que lutamos em vão. Às vezes pensamos que não há ninguém a ouvir nossas mensagens ou a compartilhar nossos pensamentos. Chegamos a acreditar que lutar não vale a pena e que nos equivocamos ao escolher viver a nossa missão.

Sim, eu sei como se sente. Pode ter certeza que muitos de nós experimentam ou já experimentaram essa sensação. Mas, o fato de ser compartilhada por muitos não quer dizer que ela seja verdadeira. Não!

A nossa missão é algo muito maior do que a gente. E, justamente por ser maior do que nós, muitas vezes ela produz seus resultados em lugares que os nossos olhos ainda não conseguem alcançar.

A nossa mensagem se espalha e se propaga. Propaga-se no tempo, no espaço, passa de boca em boca, de gesto em gesto, de exemplo em exemplo, e alcança exatamente quem deveria alcançar.

Muitas vezes aqueles que nos escutam, nos veem ou leem nossos escritos não são os destinatários da mensagem que trazemos, mas meros instrumentos para que ela alcance quem verdadeiramente precisa dela.

O que eu te escrevo pode até não fazer sentido para você agora, mas as palavras foram lançadas e um dia alguém ao seu lado precisará ouvir exatamente o que eu digo agora. Provavelmente isso sequer chegará ao meu conhecimento, mas, do lado de cá, meu coração está aquecido porque eu acredito e vivo o meu propósito.

Sim, talvez a gente não presencie as transformações, a gente não veja os resultados acontecerem diante dos nossos olhos, mas, só porque você não presenciou os impactos que sua mensagem causou em alguém, não quer dizer que ela tenha sido em vão.

É como o semeador, que talvez nunca veja germinar a semente que lançou à terra. Talvez nunca veja a linda árvore em que ela se transformará, mas o seu filho se aproveitará de sua sombra e se alimentará de seus frutos.

Nunca faça calar a sua voz por medo de que ninguém lhe ouça. Nunca interrompa o seu trabalho por acreditar ser em vão. Nunca deixe de lutar pelo que acredita e nunca deixe de acreditar em você.

Uma mudança de era…

“Não é uma era de mudanças, é uma mudança de era.” – disse ontem Dudu Obregon, fundador da Perestroika BH, na palestra sobre futurismo, enquanto, ali na plateia, eu vivia um daqueles momentos disruptivos. O meu mundo parou e minha mente criou vida própria, vislumbrando o cenário da realidade que já começa a se desenrolar diante de nós.

É uma mudança de era. O mundo, tal como o conhecemos hoje, dando lugar a um mundo completamente novo, inteiramente desconhecido, e a gente ali no meio, (sobre)vivendo a tudo isso.

Não tem como ouvir essa frase e não sentir um frio na barriga. Dá medo. Assusta. É desconcertante. É desconfortável.

De repente você percebe que tudo aquilo que hoje para você é conhecido, certo e seguro, virou passado. Suas certezas? Em um piscar de olhos, virando pó. E o desconhecido é a nova realidade.

Venhamos e convenhamos, o mundo muda. Tudo se transforma a cada minuto, a cada segundo, bem aqui, diante de nossos olhos. Ok, ok. Sei que você está tão corrido na sua vida agitada, cheia de compromissos, horários, trânsito, contas e afins, que nem mesmo percebe essa mudança toda acontecendo, mas, acredite em mim, ela não vai embora só porque você escolheu fechar os olhos para ela.

Resistir é inútil. Ignorar é insano. Fechar os olhos para a realidade é tão sensato e prudente quanto guardar uma conta no fundo da gaveta e achar que ela sumirá ou se pagará sozinha, apenas porque foi escondida no meio da bagunça.

A mudança é a única coisa estável nas nossas vidas. Ela existe a cada nanossegundo. E, por mais que a gente queira, não dá pra se agarrar na pedra cheia de lodo e tentar ficar lá pra sempre. Escorrega, até que seus dedos não aguentam.

A tendência da água é mesmo correr rio abaixo, então, ao invés de lutar contra a correnteza, porque não se deixar levar, abrir os braços e reparar no céu? Resistir dá mais trabalho. Lutar contra a correnteza, bater nas pedras do fundo, tentar respirar enquanto se agarra, engolir água… Nada agradável.” – Do livro Criativo e Empreendedor, Sim Senhor – da Rafaela Cappai.

Será mesmo que ignorar ou resistir é a opção mais inteligente? Acho que já deu pra ver que não, né?

Mas, e como lidar com tudo isso, como viver essa mudança de era? Como se adaptar, flutuar com a correnteza, curtir a paisagem e de quebra aproveitar para pegar um bronze?

Respira fundo. Inspira, expira e vem comigo, porque a resposta é mais simples do que parece.

A única maneira de passar ileso por tudo isso é fortalecer a base. Não, não estou falando de base antiaérea ou abrigo antimísseis, estou falando de você mesmo, seu mundo interior, a sua base, aquela que é resultado da soma: autoconhecimento + autoestima + autoconfiança.

Para lidar com esse cenário que se desenrola é fundamental você saber quem é de verdade, e respeitar e admirar isso! É você ter toda a clareza possível sobre si mesmo, reconhecer suas forças, suas fraquezas, seu potencial e suas limitações. É descobrir a fórmula mágica, essa mistura de ingredientes que, juntas dentro de um mesmo caldeirão, forma VOCÊ – uma pessoa única, exclusiva, especial e interessante pra caramba!

Essa autoconsciência é que será sua fonte de força. É ela que vai fazer com que você bata no peito com orgulho, se assuma diante do mundo e vá lá pra fora aproveitar a nova era para construir as suas oportunidades!

Nos dias de hoje o que mais vemos por aí são pessoas buscando do lado de fora alguma coisa para tapar o buraco do vazio que há do lado de dentro. Ao invés de olharem para si mesmas, identificarem e resolverem suas demandas internas, essas pessoas passam tal responsabilidade para o mundo, procurando do lado de fora a pecinha que falta para os seus quebra-cabeças.

O problema é que elas não fazem ideia de qual o desenho dos seus quebra-cabeças, elas não sabem sequer se ali dentro há de fato um quebra-cabeças, e buscam desesperada e atabalhoadamente o maior número de peças para suprir necessidades que elas nem mesmo sabem se têm.

Isso é muito doloroso, concorda? É doloroso porque elas se jogam em uma corrida maluca sem destino para chegar, uma gincana eterna que nenhuma prova é capaz de encerrar, porque elas não sabem o objetivo que têm que atingir para o sofrimento chegar ao fim.

E, se isso já é doloroso hoje, quando o mundo lá fora lhes é “conhecido”, dentro de suas zonas de conforto, como será o amanhã para essas pessoas, quando tudo que elas tinham hoje como certo simplesmente virar passado e todas as suas certezas virarem nada mais do que história diante desse novo e desconhecido mundo?

Se hoje é doloroso, amanhã será insuportável!

Por outro lado, temos aquele que desde já se prepara para a vida, mergulhando no autoconhecimento, fortalecendo sua base interior, sua autoestima, sua autoconfiança. Se esse cara hoje já é capaz de viver bem e em paz consigo mesmo, amanhã ele será um criador de oportunidades. Esse cara é o ser humano do futuro, que sabe que, por mais que o mundo mude, sempre haverá um lugar especial para ele, isso porque ele não ficou sentado esperando as coisas acontecerem, mas decidiu ele mesmo arregaçar as mangas e criar o seu lugar especial, o seu lugar ao sol, ou à sombra, ou mesmo dentro da piscina (o lugar é dele e ele o constrói onde bem entender ;-))!

Bom, mas isso tudo é e sempre será nada além de uma escolha sua. Resistir ou se entregar, olhar para fora ou olhar para dentro. Escolhas, escolhas e mais escolhas.

“Não é uma era de mudanças, é uma mudança de era.” E você, como escolhe passar por isso tudo?

A bola está contigo, o seu futuro está nas suas mãos, mas, sabe, algo me diz que não preciso me preocupar contigo, porque você saberá tomar a melhor decisão!

Então, Vem Comigo!

Autoestima em tempos de crise

Autoestima – eu não tenho tempo para essa bobagem.

Você acredita que autoestima é uma coisa supérflua? Que, com tantos problemas que o mundo vem enfrentando, dedicar-se à autoestima é um capricho de gente imatura?

“Eu preciso me preocupar é com como eu vou pagar as contas no final do mês!”

Se as frases acima fizeram sentido para você, primeiro dê uma lidinha nisso aqui e depois volte, pois hoje eu vou te explicar como uma autoestima consolidada é fundamental para superar crises.

Já voltou? Ótimo! Então, continuemos.

A primeira coisa que eu tenho que te dizer é que a autoestima é o maior ativo que uma pessoa tem em sua vida. É como se fosse o seu pote de ouro particular, de onde ela extrairá todos os recursos necessários para se manter.

Quando se tem uma autoestima fortalecida, você acredita em si mesmo. Você tem consciência de seu valor, de suas habilidades, de suas potencialidades. Você sabe que tem dentro de si todas as ferramentas de que precisa para construir a realidade que quiser! Em bom mineirês, você tem a faca e o queijo nas mãos!

Por outro lado, quando sua autoestima está debilitada, você não tem consciência do seu potencial. Por ignorá-los, você não utiliza corretamente os seus dons, talentos e habilidades e, como resultado, você se desespera diante das dificuldades e tem certeza de que as coisas darão errado para você. “Estou fadado ao fracasso”.

A crise é uma excelente geradora de oportunidades, desde que se tenha olhos para percebê-las. E quem é capaz de perceber uma oportunidade e acreditar nela? Apenas aqueles que acreditam em si mesmos, em primeiro lugar!

“Enquanto alguns choram, outros vendem lenços.” – Você já ouviu esse ditado? E quem você acha que são os vendedores de lenços? Sim, são aqueles que acreditam em si mesmos! Aqueles que vêm todos à sua volta se desesperarem, mas têm dentro de si a certeza de que eles não são como todos os outros, eles são únicos! Eles se reconhecem assim, especiais, e não se conformam em sentar e chorar. Eles enxergam que podem e devem fazer alguma coisa de diferente, para obterem os resultados que merecem: os melhores resultados!

Acreditar que você é capaz e merecedor da felicidade é o que te impulsiona a ir além! É o que te faz manter a calma diante das dificuldades e começar a analisar como você pode utilizar tudo aquilo que JÁ TEM para modificar o cenário, tornando-o favorável para você!

E quando eu falo de crises, não me refiro apenas ao cenário econômico nacional/mundial. Eu me refiro a qualquer tipo de problema que você esteja enfrentando exatamente agora, em qualquer área da sua vida! Trabalho, relacionamentos amorosos, finanças, família…

Seja qual for a sua batalha íntima, aí dentro de você já existem as armas necessárias à vitória! O que está faltando na sua vida é apenas um olhar atento para dentro de si. Está faltando fé! Não em Deus ou qualquer que seja a sua crença, mas fé em você mesmo!

O que falta para sua guinada de vida, para a sua virada, para a sua vitória, é acreditar que você pode e merece o melhor! Conhecer e acreditar nos seus dons, nas suas habilidades, no potencial vencedor que há dentro de você e deixar todas essas virtudes virem ao mundo, sem medo, sem vergonha, apenas com toda a sua vontade e gana de ser feliz!

Toma. Eu te entrego agora uma caixa de lenços. O que você fará com ela? Essa decisão determinará o seu presente e seu futuro, então faça uma boa escolha!

Então, Vem Comigo!

Se você quiser saber mais sobre o meu trabalho como Coach de Autoestima e Poder Pessoal, envie um e-mail para contato@entaovemcomigo.com.br será um prazer te ajudar a construir uma base sólida para edificar a vida incrível que você merece!

Uma lição preciosa para você

Semana passada eu enviei um e-mail para os assinantes da newsletter.

O resultado foi que minha caixa de entrada ficou abarrotada de respostas, pois muita gente se identificou muito com o que foi dito ali.

Decidi, então, compartilhar com você também, porque acredito que essa lição também pode mudar a sua vida!

“Esse fim de semana eu assisti a um filme da Disney, Malévola, e ele me fez pensar bastante…

[Atenção! Este texto pode conter spoiler]

O filme retrata a história da bruxa da Bela Adormecida. A história nos mostra como a bruxa era possuidora de um coração puro e, após, sofrer uma decepção e um trauma que não foi capaz de superar, o sofrimento tomou conta de sua vida e ela se tornou uma pessoa amarga, cheia de dor, tristeza e ódio.

Ao conhecer o sofrimento da bruxa, toda a sua história de vida e o grande trauma que sofreu, imediatamente você é tomado por compaixão. Aqueles sentimentos de repulsa e reprovação dão lugar à compreensão e ao perdão e, além de não nutrir mais aversão, você passa a torcer pelo bem da bruxa, você deseja, de coração, que ela reencontre a paz de espírito que já teve um dia.

O que essa história da Disney tem a ver com você? Simples, em nossas vidas sempre temos alguém que nos fez alguma sacanagem, sempre temos um vilão particular, que nos passou a perna, que nos desapontou ou decepcionou, certo?

Essa pessoa, assim como a Malévola, tem a sua própria história de vida, o seu próprio sofrimento, a sua própria dor.

O problema é que ficamos tão envolvidos pela conduta dele(a) e como os seus atos afetaram diretamente a nossa vida, que nós também nos tornamos cegos e só conseguimos pensar na nossa própria dor.

Quando você para um pouco e tenta imaginar o quanto aquele sujeito deve ter sofrido em sua própria vida e as histórias difíceis que ele deve ter passado em algum momento de sua existência, o rancor é imediatamente dissolvido, dando lugar à compaixão. Você se torna capaz de perdoar o seu ofensor.

O filme termina com a seguinte frase: A história não aconteceu do jeito que te contaram.

Assim também é a vida. A história nunca é do jeito que pensamos ser. Por mais coisas que acreditemos saber a respeito dela, nós nunca conheceremos a verdadeira dor do nosso ofensor.

Uma vez ouvi a seguinte frase (cuja autoria admito desconhecer) que impactou profundamente a minha vida e veio à tona enquanto eu via o filme: “Se nós conhecêssemos as lutas e as dores dos nossos inimigos, eles logo se tornariam nossos amigos.”

E hoje, nesse início de semana, eu te convido a refletir sobre isso. Pense em uma pessoa que te fez sofrer recentemente, pode ser alguém que você nem mesmo conheça, alguém que protagonizou uma cena odiosa, ou que fez algo que você ficou sabendo pelos noticiários. Agora, pense um pouco em como a vida dessa pessoa deve ter sido difícil, pense em tudo pelo que ela pode ter passado, o tanto que esse sofrimento deixou nelas as mais profundas marcas e traumas.

Compreenda essa pessoa, compadeça-se por sua dor, perdoe-a. Tire do seu coração o peso do ódio, da mágoa e do rancor. Liberte-se. Deixe ir todo o sofrimento e passe a emanar o perdão, a compreensão e o amor.

Faça uma prece ou uma mentalização em favor desse alguém que te machucou. Diga-lhe, mentalmente, que você o entende e o perdoa, e que daí onde você está agora, você envia para ele as suas mais belas e puras energias.

Pratique o perdão. Pratique a compaixão. Seja a mudança. Seja o amor!

Boa semana!

Com amor,

Carol”

P.S.: Se você ainda não está inscrito para receber meu conteúdo exclusivo e ficar sabendo de tudo em primeira mão, é só se cadastrar aqui do lado! 😉

Página 2 de 712345...Última »