Uma mudança de era…

“Não é uma era de mudanças, é uma mudança de era.” – disse ontem Dudu Obregon, fundador da Perestroika BH, na palestra sobre futurismo, enquanto, ali na plateia, eu vivia um daqueles momentos disruptivos. O meu mundo parou e minha mente criou vida própria, vislumbrando o cenário da realidade que já começa a se desenrolar diante de nós.

É uma mudança de era. O mundo, tal como o conhecemos hoje, dando lugar a um mundo completamente novo, inteiramente desconhecido, e a gente ali no meio, (sobre)vivendo a tudo isso.

Não tem como ouvir essa frase e não sentir um frio na barriga. Dá medo. Assusta. É desconcertante. É desconfortável.

De repente você percebe que tudo aquilo que hoje para você é conhecido, certo e seguro, virou passado. Suas certezas? Em um piscar de olhos, virando pó. E o desconhecido é a nova realidade.

Venhamos e convenhamos, o mundo muda. Tudo se transforma a cada minuto, a cada segundo, bem aqui, diante de nossos olhos. Ok, ok. Sei que você está tão corrido na sua vida agitada, cheia de compromissos, horários, trânsito, contas e afins, que nem mesmo percebe essa mudança toda acontecendo, mas, acredite em mim, ela não vai embora só porque você escolheu fechar os olhos para ela.

Resistir é inútil. Ignorar é insano. Fechar os olhos para a realidade é tão sensato e prudente quanto guardar uma conta no fundo da gaveta e achar que ela sumirá ou se pagará sozinha, apenas porque foi escondida no meio da bagunça.

A mudança é a única coisa estável nas nossas vidas. Ela existe a cada nanossegundo. E, por mais que a gente queira, não dá pra se agarrar na pedra cheia de lodo e tentar ficar lá pra sempre. Escorrega, até que seus dedos não aguentam.

A tendência da água é mesmo correr rio abaixo, então, ao invés de lutar contra a correnteza, porque não se deixar levar, abrir os braços e reparar no céu? Resistir dá mais trabalho. Lutar contra a correnteza, bater nas pedras do fundo, tentar respirar enquanto se agarra, engolir água… Nada agradável.” – Do livro Criativo e Empreendedor, Sim Senhor – da Rafaela Cappai.

Será mesmo que ignorar ou resistir é a opção mais inteligente? Acho que já deu pra ver que não, né?

Mas, e como lidar com tudo isso, como viver essa mudança de era? Como se adaptar, flutuar com a correnteza, curtir a paisagem e de quebra aproveitar para pegar um bronze?

Respira fundo. Inspira, expira e vem comigo, porque a resposta é mais simples do que parece.

A única maneira de passar ileso por tudo isso é fortalecer a base. Não, não estou falando de base antiaérea ou abrigo antimísseis, estou falando de você mesmo, seu mundo interior, a sua base, aquela que é resultado da soma: autoconhecimento + autoestima + autoconfiança.

Para lidar com esse cenário que se desenrola é fundamental você saber quem é de verdade, e respeitar e admirar isso! É você ter toda a clareza possível sobre si mesmo, reconhecer suas forças, suas fraquezas, seu potencial e suas limitações. É descobrir a fórmula mágica, essa mistura de ingredientes que, juntas dentro de um mesmo caldeirão, forma VOCÊ – uma pessoa única, exclusiva, especial e interessante pra caramba!

Essa autoconsciência é que será sua fonte de força. É ela que vai fazer com que você bata no peito com orgulho, se assuma diante do mundo e vá lá pra fora aproveitar a nova era para construir as suas oportunidades!

Nos dias de hoje o que mais vemos por aí são pessoas buscando do lado de fora alguma coisa para tapar o buraco do vazio que há do lado de dentro. Ao invés de olharem para si mesmas, identificarem e resolverem suas demandas internas, essas pessoas passam tal responsabilidade para o mundo, procurando do lado de fora a pecinha que falta para os seus quebra-cabeças.

O problema é que elas não fazem ideia de qual o desenho dos seus quebra-cabeças, elas não sabem sequer se ali dentro há de fato um quebra-cabeças, e buscam desesperada e atabalhoadamente o maior número de peças para suprir necessidades que elas nem mesmo sabem se têm.

Isso é muito doloroso, concorda? É doloroso porque elas se jogam em uma corrida maluca sem destino para chegar, uma gincana eterna que nenhuma prova é capaz de encerrar, porque elas não sabem o objetivo que têm que atingir para o sofrimento chegar ao fim.

E, se isso já é doloroso hoje, quando o mundo lá fora lhes é “conhecido”, dentro de suas zonas de conforto, como será o amanhã para essas pessoas, quando tudo que elas tinham hoje como certo simplesmente virar passado e todas as suas certezas virarem nada mais do que história diante desse novo e desconhecido mundo?

Se hoje é doloroso, amanhã será insuportável!

Por outro lado, temos aquele que desde já se prepara para a vida, mergulhando no autoconhecimento, fortalecendo sua base interior, sua autoestima, sua autoconfiança. Se esse cara hoje já é capaz de viver bem e em paz consigo mesmo, amanhã ele será um criador de oportunidades. Esse cara é o ser humano do futuro, que sabe que, por mais que o mundo mude, sempre haverá um lugar especial para ele, isso porque ele não ficou sentado esperando as coisas acontecerem, mas decidiu ele mesmo arregaçar as mangas e criar o seu lugar especial, o seu lugar ao sol, ou à sombra, ou mesmo dentro da piscina (o lugar é dele e ele o constrói onde bem entender ;-))!

Bom, mas isso tudo é e sempre será nada além de uma escolha sua. Resistir ou se entregar, olhar para fora ou olhar para dentro. Escolhas, escolhas e mais escolhas.

“Não é uma era de mudanças, é uma mudança de era.” E você, como escolhe passar por isso tudo?

A bola está contigo, o seu futuro está nas suas mãos, mas, sabe, algo me diz que não preciso me preocupar contigo, porque você saberá tomar a melhor decisão!

Então, Vem Comigo!